23 de março de 2015

Fotografia alternativa, Minimalismo e Feeds

Com o Instagram, virou febre tirar foto de tudo e de todos. E nossa sociedade escrava do culto à beleza superestimou a tão amada atualmente #SELFIE (momento discurso moralista, okay parei).

Mas também se popularizou um estilo de fotografia fora do convencional: a fotografia alternativa. E, com a fotografia alternativa, surgiram os feeds, perfis do Instagram para fotos alternativas. Não tem como falarmos da fotografia alternativa sem falar dos feeds. É difícil definir os feeds em geral, pois cada um tem suas próprias características, espelho do seu autor que, por vezes, é anônimo.



Alguns são organizados e padronizados, outros são “bagunçados como minha cabeça”. Alguns seguem um padrão de cores (exemplo: fotos azuis, fotos em preto e branco), ou um padrão de efeito (exemplo: fotos com efeito X-Pro II ou Lo-fi), ou até mesmo tem um tema (exemplo: natureza, movimento, minimalismo), temos também os feeds de “fundo branco”, feeds de fotos escuras ou claras, e por aí vai. Existe uma infinidade de temas, estilos e tipos de fotos.

Às vezes, eu vejo nas fotos de “20 fatos sobre mim” que os autores são adolescentes de 12 a 18 anos, muitas vezes que se sentem feios ou estranhos e alguns têm a autoestima muito baixa. E o feed é para muitos deles um cano de escape para todos esses sentimentos ruins, eles transformam estes sentimentos negativos em arte, cada um do seu jeito, com sua organização própria e sua essência.


Mas acredito que todos, apesar de tão diferentes, buscam a mesma coisas que, para mim, é a essência da fotografia alternativa: captar a beleza de coisas simples, transformando objetos do dia a dia em verdadeiras obras de artes.